Como transformei minha Tempestade Emocional em Calmaria


Meu testemunho de como processo meus sentimentos, a partir de experiência pessoal (22/6/20):


Meu filho estava machucando meu peito durante a amamentação na última semana. Eu dizia com firmeza para ele parar de morder, ele ficava sentido e chorava. Eu me sentia culpada de vê-lo chorando. Agoniado ele mordia com mais força. Eu ficava com raiva e pensando que assim não dava pra continuar. Aí sentia medo de ter que desistir de amamentar. Mais culpa... Quem é mãe deve conhecer bem essa montanha russa emocional.


Decidi que precisávamos espairecer. Coloquei ele no carrinho e fui caminhando até a praia. Ele adormeceu. Eu sentei de frente pro mar e aproveitei para me acolher e digerir minhas emoções, como ensino meus clientes a fazer:


Comecei a investigar todas as necessidades que não estavam sendo atendidas: descanso, tranquilidade, amor, cuidado, empatia, compreensão, sossego, autopreservação, calma, resolutividade, esperança.


Identifiquei o que estava sentindo: tristeza, culpa, raiva, frustração, irritação, impaciência e medo.


Soltei o ar. Clareza, compreensão... Alívio, paz!


Quero o melhor para meu filho! Desejo nutrição através da amamentação, proteção, carinho, aconchego, conexão, amor! Sim há muito amor envolvido e por isso é tão difícil, mas é também o amor que salva! Saber que ele será nutrido pelo meu amor com amamentação ou não. Que mesmo quando sinto raiva dele, ainda o amo imensamente e justamente por isso essa raiva dói duplamente.


Mais um suspiro. Senti fundo agora. Os olhos lacrimejando...


Agora uma pausa pra contemplar o mar e sentir como estou. Ainda há uma agitação interna, como as ondas que quebram com uma certa violência. Mas quando olho mais a frente, o fundo do mar, vejo no horizonte a serenidade. E lembro que por baixo de toda essa agitação interna há uma tranquilidade e estabilidade inerente, na Base de quem eu sou. Fico com isso e a calma surge, enquanto a agitação se dissipa e os pensamentos desaceleram.


Pausa para "surfar essa onda". Fico com as sensações no meu corpo e a visão do mar.


Theo acordou. Falo com ele e noto que me sinto alegre, amorosa e paciente.


Espero que esse testemunho possa te inspirar ao lidar com suas próprias emoções.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo